quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Jovens protestam contra a violência em Alagoas


Reproduzo aqui, texo da camarada Diretora da UNE Claudia Petuba:


Na tarde desta quinta, 22/12, participei de ato contra a violência. Centenas de estudantes, secundaristas e universitários, reuniram-se em frente ao Palácio República dos Palmares, no Centro de Maceió, em Ato Público contra a violência em Alagoas. Participaram da manifestação movimentos de juventude, partidos políticos e entidades estudantis. 


Na ocasião a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudante Secundaristas (UBES) lançaram a campanha "Violência não, sou mais Educação". Propondo que sejam realizados investimentos maiores em educação que possam garantir melhorias e o fortalecimento da rede estadual de ensino para combater a violência. Que não apenas sejam realizados concursos públicos para a área da segurança pública - que já será um grande avanço para o estado que é conduzido com uma política neoliberal e privatista - mas que professores e trabalhadores sejam contratados para as escolas e universidades da rede estadual, garantindo ampliação que permita a todos os jovens alagoanos ter acesso à educação pública.

Os índices alagoanos que medem a violência são comparados ao de países em guerra e os índices educacionais ao de países africanos com guerras civis. Situação que tem se agravado a cada dia perante a ausência de iniciativas do governo do estado, que a cada novo fato diz não saber o que fazer para combater a violência e recorre ao Ministério da Justiça e outras esferas do governo federal. O clima de caos tem predominado na capital após uma série de arrastões e ônibus incendiados por criminosos.

"O problema da violência não será resolvido se for tratado apenas como uma questão de segurança pública, a violência cresce a cada dia em Alagoas pela precária realidade da educação pública em nosso estado, campeão em analfabetismo, escolas sucateadas e professores mal remunerados", comentou o novo diretor da UBES em Alagoas, Dário Rosalvo.

Os estudantes ainda bloquearam a rua de acesso ao Palácio e deitados na pista lembraram dos jovens vitimados pela violência em Alagoas. A campanha já tem tido adesão de outras entidades, que unidas cumprirão agenda de visitas a escolas, universidades e entidades sindicais. É prevista a realização de outros atos e manifestações.

"Este foi um grande e importante ato pra Alagoas, e espero que seja o primeiro de muitos, pois, o governador precisa dá um basta nesta onda de arrastões que veem crescendo em nosso estado. O que faz com que muitos jovens saiam das escolas pra irem às ruas se envolverem com drogas, se meterem com arrastões, assassinatos, etc. é a falta de uma escola de qualidade, uma escola que chame a atenção do aluno, é falta de políticas públicas e de um governo comprometido com o povo".
                                                                                                                                          Dário Rosalvo

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

OCUPE BRASÍLIA


Como falei em uma postagem mais antiga (clique aqui para vê-la), os jovens não podem esperar de braços cruzados o desenvolvimento de seu país, e sim, correr em busca desse desenvolvimento. Foi isso que cerca de 300 jovens de todos os estados do Brasil fizeram na última semana (06 a 14/12/2011).
Depois de um grande e vitorioso congresso da UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas), foi convocado um grande ato denominado ”OCUPE BRASÍLIA”, onde vários estudantes acamparam em frente ao congresso nacional com várias pautas de reivindicações, dentre elas: meia entrada para os estudantes na copa de 2014 e nas olimpíadas de 2016, 10% do PIB e 50% do pré-sal pra educação, aprovação imediata do estatuto da juventude, etc...


Dep. Manuela D'ávila (PCdoB-RS), eu e Dep. Luciana Santos (PCdoB-PE)

ORGANIZAÇÃO DO ACAMPAMENTO       

Foram criadas várias comissões de organização do acampamento: Comissão de cultura, agitação, formação, limpeza e saúde. E dessa forma mantivemos nosso acampamento de pé e muito bem organizado conseguindo desmentir o que muitos falam por aí sobre o movimento estudantil.
Durante o dia tínhamos uma agenda lotada, nos dividíamos em grupos. Uma parte ia ào Congresso Nacional ver as votações, as seções, enquanto outros faziam pedágio com os parlamentares de seus estados para podermos manter o acampamento. Outro grupo ficava no acampamento para que a polícia não aproveitasse que não tinha ninguém e destruísse tudo. Eram dias repletos de debates sobre variados temas, visitas de parlamentares que apoiam nossa causa, como: Manuela D’avila (PCdoB-RS), Luciana Santos (PCdoB-PE), Alice Portugal (PCdoB-BA), Marco Maia (PT-RS) entre outros.

Estudantes estram no espelho d'água
 
ATOS

Os últimos dias foram emocionantes (risos), foi quando os estudantes decidiram entrar no espelho d’água, e em protesto porque a votação do estatuto da juventude foi adiada de novo os estudantes jogaram uma partida de futebol no salão azul dentro do Congresso Nacional.

CONQUISTAS

Depois de anos de muitas mobilizações, debates e com esse grande acampamento conseguimos aprovar na comissão de educação do senado os 50% do fundo social do pré-sal pra educação.

Infelizmente as votações do PNE (Plano Nacional de Educação) e do estatuto da juventude foram adiadas para o inicio do próximo ano, mas conseguimos o apoio de muitos parlamentares que se comprometeram com a luta dos estudantes na hora de votar nossas propostas ano que vem.

Acredito que esse foi um grande e importante momento para juventude brasileira, um momento que ficará marcado na história desse país.


AVANTE JUVENTUDE!!!

domingo, 18 de dezembro de 2011

Carta dos estudantes ao governador de Alagoas

Alagoas, estrela radiosa,
Que refulge ao sorrir das manhãs,
Da República és filha donosa,
Magna Estrela entre estrelas irmãs.


 Governador Téo Vilela, o senhor acaba de assumir o seu segundo mandato e Alagoas está se acabando em meio a tanta violência.
Se a vossa excelência, que foi eleito pelos alagoanos para representar nosso estado não apresenta soluções a essas ondas de ataques que Alagoas vem sofrendo, quem irá apresentar soluções? Pois, acredito quando o senhor foi candidato ao governo do estado o senhor apresentava propostas para combater a violência em nosso estado. Gostaria que ficasse bem claro que tudo isso que vem acontecendo em nosso estado é reflexo da FALTA DE EDUCAÇÃO DE QUALIDADE, FALTA DE SEGURANÇA e FALTA DE ASSISTENCIA SOCIAL AS COMUNIDADES.
As semanas como bem sabem tem sete dias e são sete dias de pura correria e trabalho onde pais e mães vão trabalhar para poderem da uma vida digna a seus filhos, mas diante dessas situações onde as pessoas saem de suas casas e não sabem se voltam, onde correm o risco de serem vitimas de assalto, vitimas de bala perdida. O que fazer? Como agir?
É arrastão nos bairros, ônibus e nos lugares onde tem maior concentração da população, onde mais acontecerão essas ações que aterrorizam a população alagoana?

 Governador, temos pai, mãe, irmãos, parentes e amigos, que estão espalhados por todos os cantos do estado trabalhando em busca de uma vida melhor. Não é justo que essas vidas, nossas vidas sejam colocadas em risco por falta de segurança.
Governador,  queremos segurança e não promessas de  segurança para  próximos anos. Queremos já!


Por: Daiane Correia


Fonte: http://daiiiy-adolescentesempre.blogspot.com/2011/12/carta-ao-governador-de-alagoas.html

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

BRASIL, RUMO A VITÓRIA

 
                Vivemos em um país cheio de incertezas, de corrupção e de problemas a serem superados.
                
                Somos atacados diariamente pelos bombardeios capitalistas daqueles, que persistem com a idéia de tomar o poder e aplicar em nosso país as políticas neoliberais. Pessoas, que já tiveram o poder em mãos e mostraram que não estão pra brincadeira.
                
                As pessoas hoje se vêem muito divididas, muitas optam pelo capitalismo, muitas optam pelo comunismo, enquanto outras ficam em meio às duas opções (umas por acreditarem que as duas se completam, e outras por não saberem qual caminho seguir). Acredito eu que o melhor é o comunismo.
                
                 Levanto essa bandeira, por acreditar que o comunismo abre as portas pra sociedade e dá ao cidadão o direito de contribuir com o crescimento do nosso país. Infelizmente, quem luta hoje por um Brasil justo e igualitário não tem o apoio da grande mídia, que se esforça em banalizar e criminalizar atos que visam o crescimento de toda população e não só o crescimento dos grandes latifundiários. Mas a população vem se mostrando muito resistente as opressões e com muita garra vem conseguindo derrubar os obstáculos.
                A cada dia que passa nosso time aumenta mais, e juntos, vamos mostrar que o nosso Brasil tem um grande potencial para se tornar uma grande potência... Uma potência COMUNISTA.

 Por: Dário Rosalvo

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Participação do jovem no desenvolvimento do país


Não é novidade pra ninguém que a juventude é caracterizada por sua impulsividade e rebeldia consequente. Mas, nenhuma dessas características são atoa, muito pelo contrário, isso se deu pelos rumos que a juventude vem tomando.

Sempre fomos protagonistas das grandes conquistas que o Brasil teve, e muitas vezes não por apenas nos engajarmos em lutas já travadas, mas sim por travarmos importantes lutas para o país. Foi assim durante a ditadura militar, na redemocratização do Brasil, nas diretas já, dentre outras lutas.

O jovem tem um papel fundamental pra que o Brasil se desenvolva pelo simples fato de que ele será o adulto de amanhã. Hoje, dos 50 milhões de jovens brasileiros 46 % vivem na pobreza, fora os que vivem na extrema pobreza. O governo federal junto com vários governos estaduais vem se empenhando para que este quadro seja revertido, mas a juventude não pode esperar por melhores resultados de braços cruzados, devemos ir a luta, participando de audiências públicas, atos pela melhoria da educação, nos engajando em movimento estudantil lutando junto com a UNE (União Nacional dos Estudantes) e a UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) por um país melhor e a serviço da juventude.
         
           A juventude do Brasil acabou com a ditadura militar, redemocratizou o país, conquistou o voto aos 16 anos, conseguiu o impeachment do Collor, conquistou o ENEM, PROUNI, REUNI, programas estes que já colocaram mais de 1 milhão de jovens nas universidades, e agora está prestes a conquistar 50% do fundo social do pré-sal e 10% do PIB (Produto Interno Bruto) pra educação. Juntos conquistaremos muito mais.

AVANTE JUVENTUDE!!!


quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Téo continua e a sensação de impunidade persiste!

Há quem diga que o número 13 traz sorte, mas, há quem diga também que o número 13 traz azar. Ontem, dia 13/12/2011 podemos dizer que este número trouxe o que aos alagoanos?

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) julgou ontem o governador tucano Teotonio Vilela (PSDB) pelo recurso da coligação “Frente Popular por Alagoas” encabeçada pelo ex governador Ronaldo Lessa. Vilela vinha sendo acusado de “Abuso de poder político e econômico e compra indireta de voto”.

O jugamento mobilizou muitos alagoanos que movimentaram as redes sociais, pois, o mesmo foi transmitido em tempo real pela internet. O que pude perceber é que a maioria dos que estavam atentos ao jugamento pediam pela sua cassação, e isso é muito importante, pois, é prova de que os alagoanos já estão cansados das políticas neoliberais que estão sendo aplicadas em nosso estado. Infelizmente o relator, ministro Arnaldo Versiani, reconheceu que o governador infringiu o artigo 73, parágrafo 10 da Lei 9.504/97 (Lei das Eleições), ao distribuir benefícios em ano eleitoral, mas, mesmo assim isto não é CONSIDERADO grave o suficiente para influir no resultado do ultimo pleito para o governo do estado.

Sendo assim, foi reconhecida a prática do crime de abuso de poder e compra de votos. O TSE aplicou como pena a multa de 10 mil ao então governador Teotonio Vilela e outra de 5 mil à seu vice Thomaz Nonô.

É... pelo que podemos ver a supertição pôde-se cumprir das duas maneiras, enquanto trouxe sorte aos dois representantes do executivo de Alagoas, trouxe azar aos cerca de 3 milhões de habitantes que continuarão a ver seu estado retroceder em comparação ao crescimento dos outros estados do país. O que são 10 mil pra o governador? E 5 mil pra seu vice? Houve justiça nesse julgamento?


Por: Dário Rosalvo

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Teotonio Vilela pode ter seu mandato cassado!!!

O julgamento do governador de Alagoas, Teotônio Vilela (PSDB), pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta terça-feira (13) pode levar à cassação do tucano. Ele é acusado de usar um programa para distribuir cabras e ovelhas a famílias carentes do sertão do estado em troca de votos na eleição do ano passado, quando foi reeleito.


A ação foi proposta por seu adversário Ronaldo Lessa (PDT), derrotado em segundo turno pelo tucano. No TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de Alagoas o atual governador foi absolvido, mas Lessa recorreu ao TSE e conta com um parecer favorável do Ministério Público Eleitoral --documento que serve para ajudar o magistrado a decidir.

A vice-procuradora-geral Eleitoral, Sandra Cureau, diz que a distribuição dos animais foi irregular e configura prática de abuso de poder político e econômico por Vilela.

Distribuição

De acordo com o parecer, apesar de a entrega das cabras e ovelhas ter sido iniciada no final de dezembro de 2009, quando 29 animais foram distribuídos, a grande maioria (cerca de 1.600) foi entregue entre agosto e setembro de 2010, no auge da campanha eleitoral.

No "Alagoas mais Ovinos", cada família recebe sete fêmeas. Um animal macho é cedido para procriar com as fêmeas de quatro beneficiários. Depois de cinco anos, as fêmeas e os machos têm de ser devolvidos ao governo. Os filhotes ficam com a família.

Defesa

Os advogados do governador negam que a campanha do tucano tenha se beneficiado irregularmente do programa de entrega de animais. Eles alegam que o "Alagoas mais Ovinos" é antigo, criado inclusive quando Ronaldo Lessa era o governador, mas que teve seu nome mudado em 2009.

Fonte: http://www.vermelho.org.br

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

UJS - Alagoas é Maioria Entre os Secundaristas do Estado



Na ultima sexta-feira, dia 11 de novembro, foi realizado no auditório do Instituto Federal de Educação tecnológica, IFAL, em Maceió à Etapa Estadual do 39° Congresso da União Brasileira de Estudantes Secundaristas.

Mais de 200 delegados de todas as regiões do estado estavam aptos a participar do encontro com direito a voz e voto, a tarefa dos alagoanos era debater os rumos do Movimento Estudantil em Alagoas e no Brasil.
A maior bancada era a da galera do Movimento “Tenho Algo a Dizer/UJS”, que entre os seus era a única força que tinha estudantes de todas as regiões, só de Arapiraca havia mais de 40 estudantes. Na cidade as maiores e principais escolas elegeram e enviaram seus representantes.
O processo de escolha dos delegados da Região Metropolitana do Agreste envolveu mais de 5.000 estudantes secundaristas, todos os seus delegados eram ligados à Tese da União da Juventude Socialista-UJS, desde o delegado do IFAL/Campus-Arapiraca aos delegados do Colégio Normal São Francisco.
No encerramento da etapa foram eleitos os representantes dos Alagoanos para a fase nacional do 39° CONUBES, duas Chapas concorreram à UNIDADE (UJS, JSB e PT/DS/Inaugurar um novo Período) e a Rebele-se (UJR/PCR).
A UNIDADE elegeu mais delegados para o nacional, obtendo 59 votos versus 22.
O 39° CONUBES será em dezembro no estado de São Paulo.

Rafael Cardoso
Executiva da UJS - Alagoas

domingo, 13 de novembro de 2011

Estudantes do Chile e da Colômbia marcham juntos por educação

Estudantes do Chile e da Colômbia confirmaram uma marcha binacional agendada para o próximo dia 24 de novembro, ocasião em que reivindicarão uma educação gratuita e de qualidade, informaram representantes da Confederação dos Estudantes do Chile (Confech).


O movimento estudantil chileno decidiu aceitar um convite dos estudantes colombianos, que passam por uma situação semelhante no campo da educação, após uma assembleia de mais de 12 horas na Universidad Católica del Norte, em Antofagasta.

Durante a reunião, também foi decidido que no próximo sábado (19), quando será realizada uma assembleia em Chillán, a Confech votará sobre uma eventual interpelação às bancadas políticas sobre a discussão do orçamento destinado à educação, que está em trâmite no Congresso chileno.

O vice-presidente da Federação de Estudantes da Universidad de Concepción, Esteban Valenzuela, explicou que a decisão será feita com base na análise das conclusões obtidas em cada federação de estudantes ao longo da semana.

A Confech ainda convidou as demais federações estudantis a se mobilizar de forma regional nos dias 15,17 e 18 de novembro.

Os manifestantes lutam contra a má qualidade do ensino no país e pedem por melhores condições de trabalho e salário para os trabalhadores do setor público, além da estatização da educação. 


Fonte: vermelho.org.br

Orlando Silva para Jorge Bastos: "Vivi um tsunami político"


Em carta dirigida ao jornalista Jorge Bastos Moreno, do jornal O Globo, o ex-ministro do Esporte, Orlando Silva, fala dos ataques e das calúnias que sofreu recentemente e que culminaram com a sua saída do Ministério do Esporte.


Em sua mensagem, Orlando diz que nas "últimas semanas viveu um pesadelo" e critica o posicionamento da mídia conservadora que tratou as calúnias dirigidas contra ele como verdades, sem se preocupar, em momento algum, em buscar provas que confirmassem ou desmentissem a farsa.

"Diariamente, dezenas de perguntas chegavam das redações da imprensa e nossa assessoria tinha prazos mínimos para responder. E o que é pior, pouco interessavam as nossas respostas, elas eram ignoradas. As matérias já estavam prontas", ressalta.

Mais uma vez, Orlando afirma com convicção sua inocência. "A realidade é que saí do governo de cabeça erguida. Pela porta da frente, apesar do massacre vivido. Em minha última manifestação, no Palácio do Planalto, disse, olhando nos olhos da presidente da República: sou inocente!", encerra.

Leia abaixo a íntegra da carta de Orlando Silva:

Caro Jorge Bastos Moreno,

Vivi um tsunami político, mas continuei observando o comportamento de instituições e personalidades. Alguns se distinguiram com a coragem de não aderir pura e simplesmente a uma onda. Encontrar solidariedade em quem me conhece seria natural, o que surpreendeu foram posições de alguns intelectuais, artistas, atletas, gente simples do povo e até de parlamentares de oposição.

Entre jornalistas não foi diferente. Houve quem sugerisse apurar fatos, valorizar o contraditório e não tratar denúncia como prova. A maneira isenta como você se posicionou nesse processo, com as responsabilidades que você possui, me faz lhe dirigir essa carta. E vou tentar fazê-la chegar a outras pessoas e profissionais. Ela é dirigida a você e a muitos outros.

Como disse, nas últimas semanas, vivi um pesadelo. Tudo começou com a reportagem numa revista semanal que eu imaginava ser apenas mais um ataque político, o que, infelizmente, é rotina em nosso país. Eu estava a caminho de Guadalajara, México, para representar o governo na abertura dos Jogos Panamericanos, onde o Brasil tinha a maior delegação da história numa competição internacional e que contou com grande apoio do Ministério do Esporte.

Fiquei perplexo com a informação de que a tal revista iria publicar uma acusação de que eu teria recebido dinheiro indevidamente. Era sexta-feira à noite e a publicação sairia no sábado.

Estou acostumado com luta política, com crítica, divergência ideológica, ataques à gestão, antipatia pessoal, insatisfação com estilo... tudo isso eu sempre compreendi. Mas, mentir!? Inventar uma história para atacar a honra de uma pessoa e de um Partido!? Imaginava que luta política tivesse limites, afinal, até na guerra há limites. Estava enganado. A partir de uma farsa, foi organizada uma verdadeira campanha para me derrubar.

Observem: uma revista fez uma reportagem, com direito a chamada na capa, com base em fatos que simplesmente não existiram. Ultrapassamos o limite do absurdo!

E quem eram os porta-vozes das mentiras? Dois personagens da crônica policial de Brasília. Gente que está sendo processada por iniciativas do Ministério que eu dirigia, e de quem exigimos a devolução de dinheiro publico desviado.

Insisto, veja o absurdo: um sujeito foi flagrado desviando dinheiro público... eu determino que seja feita uma investigação... ao final determino que o dinheiro público seja devolvido... o ladrão inventa uma história... uma revista publica a farsa, sem existir nenhuma prova... os meios de comunicação reproduzem a história sem provas e pronto! A mentira ganha ares de "verdade". E começa a campanha "derruba-ministro".

Neguei a acusação, com veemência. Desde o primeiro momento, afirmei não haver provas, porque simplesmente se tratava de uma mentira. Nunca ocorreu o fato relatado pelos bandidos. Os dias passavam, eu reafirmava que se tratava de uma farsa, e, pasmo, acompanhava a maioria dos meios de comunicação endossando a versão dos bandidos, como se fosse dispensável provar o absurdo que diziam. Bastava acusar.

Passado praticamente um mês eu reafirmo minha primeira manifestação: não houve, não há e não haverá provas, porque a denúncia contra mim não passa de fantasia.

A trama montada serviu para atrair o interesse da população, que olha a política com desconfiança. Mas seria necessário outro passo. Seria necessária "uma prova" para desestabilizar minha liderança no Ministério do Esporte. Uma cruzada foi estabelecida por jornalistas que estavam em busca da tal "prova" ou, como alguns gostam de dizer, da "bala de prata" para derrubar o ministro.

Eu poderia comentar cada uma das centenas de matérias publicadas nas últimas semanas. Todos os contratos e convênios do Ministério foram revirados. Tudo foi investigado. Diariamente, dezenas de perguntas chegavam das redações da imprensa e nossa assessoria tinha prazos mínimos para responder. E o que é pior, pouco interessavam as nossas respostas, elas eram ignoradas. As matérias já estavam prontas.

Na gestão pública, assim como na gestão de qualquer instituição ou mesmo na vida privada, erros podem ser cometidos. Ninguém está imune a eles. O desafio é identificá-los e corrigí-los. Se observarmos minha trajetória e a de minha equipe à frente do Ministério do Esporte, por cinco anos, veremos muitas conquistas. Mas houve erros e atuamos para saná-los. Cumprimos sempre nossa obrigação.

O foco da trama se voltou para convênios com organizações não-governamentais, as chamadas ONGs. Vale dizer que existem ONGs e ONGs, assim como existem governos e governos. Alguns são mais competentes, outros trabalham de forma mais correta. Quem tem má intenção, nunca chega anunciando: "olha...estou mal-intencionado...meus objetivos são sórdidos!" Daí a necessidade de acompanhar, fiscalizar o cumprimento do que foi estabelecido. É o que fazíamos.

Quem se baseou apenas no noticiário, deve imaginar, por exemplo, que o programa Segundo Tempo ocorre apenas em parceria com ONGs. Mas, pasmem, no dia em que saí do governo, mais de 90% do Segundo Tempo eram fruto de parceria com entes públicos. E quem puder ler os relatórios das auditorias feitas, constatará a evolução ano a ano deste Programa.

Outra coisa inacreditável. As reportagens omitiam algo fundamental: o Ministério do Esporte aumentou a fiscalização, o que permitiu identificar erros e tomar as devidas providências administrativas. Deram ares de escândalo ao trabalho de acompanhamento e fiscalização que realizávamos. Isso serviu para criar instabilidade política e atacar meu trabalho na pasta.

Nenhuma prova demonstra benefício ao PCdoB por meio dessas entidades. Mas a acusação tem objetivo político, atacar um Partido que tem 90 anos de história e é limpo. Insisto: divergências políticas e ideológicas fazem parte do jogo, mas acusações falsas... ameaçam a democracia.

Na ausência de provas, o que fazer? A saída foi inventar algo que parecesse razoável: a filiação partidária de alguns gestores públicos. De repente, ser filiado a um partido, no caso ao PCdoB, virou "prova de crime". Se o ministro é do PCdoB, não se pode admitir que um secretário da área seja também. O mesmo vale para entidades. Não se admite que qualquer filiado ao partido participe de entidade. Isso não é democrático. Os partidos políticos são livres e as pessoas têm direito de se organizar como lhes convier. Quem nomeia secretário é prefeito e governador legitimamente eleito.

Os principais meios de comunicação e muitos jornalistas se comportaram como uma manada. É como ataque especulativo na bolsa de valores. O objetivo: desestabilizar e derrubar o ministro. E isso foi conseguido. A receita é assim. Primeiro, cria-se um ambiente de escândalo, para comover a opinião pública. Segundo, ataca-se a gestão – de que forma? Ignorando tudo de positivo feito, apontando qualquer erro e superdimensionando-o para desmoralizar o trabalho realizado. Terceiro, pressiona-se o governo, utilizando todas as ferramentas da política, inclusive contradições internas, para alcançar o objetivo.

E se ainda não for o bastante para atingir o que se pretende, lança-se mão de uma reserva no arsenal de guerra contra a honra alheia: ataques à família.

Aqui tivemos um capítulo à parte. Comprar um terreno de R$370 mil, único bem que possuo, com cheque registrado em escritura e construir uma casa de 110 metros quadrados, virou escândalo. Não interessa que numa família as pessoas tenham suas atividades profissionais e suas relações. No afã de alcançar seus objetivos, para alguns vale tudo, até golpes baixos. Poderia dar outros exemplos, mas fico por aqui. O que eles queriam era me desestabilizar emocionalmente e me fazer jogar a toalha.

Durante todo o processo procurei manter a serenidade, não perder a razão, apesar de ataques tão baixos.

Ofereci a abertura de minha vida: sigilos fiscal, bancário, telefônico e de correspondência. Desmontei a farsa contra mim na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Propus a apuração dos fatos publicados pela Comissão de Ética Pública, pelo Ministério Publico e pela Polícia Federal. Foi minha a iniciativa e tentaram inverter a ordem, como se eu tentasse encobrir algo.

Hoje, inauguramos no Brasil uma Inquisição moderna, não interessa a análise racional de processos. O editorial de um jornalão paulista foi ao âmago da questão: "não importam as provas, não importa o processo, a acusação basta". É uma versão atual da famosa frase "às favas com os escrúpulos". O mau jornalismo pode instituir verdadeiros tribunais de exceção, que realizam julgamentos sumários.

Houve tempo em que nossos companheiros eram perseguidos, presos, torturados e até assassinados. Hoje, o método utilizado é a execração pública, o linchamento político, o apedrejamento moral sem que se dê direito de defesa. E, depois, a mídia age como se nada tivesse acontecido, e passa a buscar uma nova presa. Nesses dias, não saiu do meu pensamento episódios como o de Ibsen Pinheiro e da Escola Base.

Ao fim do processo, depois de uma conversa com a presidente da Republica, saí do governo.

Percebi interesses contrariados operando nas sombras. Triste, percebi gente de comunicação ser instrumentalizada e dar pouca relevância a fatos e informações. Não se pretendia esclarecer nada, apenas disputar, como numa gincana, quem chega ao objetivo primeiro. A quem seria atribuída a queda de um ministro. Como na canção “Faroeste Caboclo”, a “via-crucis virou circo e eu estava ali”.

Talvez eu tenha incomodado interesses políticos e econômicos. Fui pedra no sapato de alguns. Fui vítima da luta política.

A realidade é que saí do governo de cabeça erguida. Pela porta da frente, apesar do massacre vivido. Em minha última manifestação, no Palácio do Planalto, disse, olhando nos olhos da presidente da República: sou inocente!

Num tempo de inversão de valores, tenho eu que provar minha inocência. E assim o farei.

Serei sempre grato ao carinho e a confiança que recebi de milhares de pessoas, algumas bem próximas, outras que sequer conhecia. É incrível a quantidade de pessoas que se aproximam de mim e diz: acredito em você! A todos, reafirmo: não traí e nunca trairei a confiança de cada um de vocês.

Serei sempre grato ao carinho e dedicação de minha equipe no Ministério do Esporte e de meus companheiros de governo.

Sigo lutando pelos meus ideais. Acredito no Brasil. Volto para São Paulo, para a mesma casa que meus amigos conhecem. Volto para a militância política por um país cada dia mais justo e democrático. Isso é o que me dá felicidade. E é muito bom estar mais perto dos amigos e dos companheiros. E de lá retomo minha trajetória política. A verdade vencerá!

Orlando Silva
Brasília, novembro de 2011

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Aldo Rebelo é o novo ministro do Esporte

O deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB-SP) foi anunciado nesta quinta-feira (27) como o novo ministro do Esporte. De acordo com a presidente Dilma, a indicação lhe dá "grande segurança de que a pasta terá êxito". Rebelo foi indicado pelo partido para ocupar a vaga do correligionário Orlando Silva, que deixou o cargo na quarta-feira (26), para defender-se de denúncias que o envolvem em um suposto esquema de desvio de dinheiro público na pasta.


A posse do novo ministro, segundo o Planalto, será na próxima segunda-feira. "Fui convidado pela presidente para assumir o ministério", afirmou Rebelo, agradecendo a confiança. Questionado sobre quais serão suas primeiras medidas, Rebelo disse que "a presidente não entrou nos detalhes da pasta e não teria como fazer isso". "Preciso entrar em contato com a equipe do ministério para começar a transição, só a partir dai posso falar", completou.

Em conversa com o presidente do PCdoB, Renato Rabelo, e com o próprio Aldo Rebelo, Dilma declarou que o partido vem conduzindo com competência e honestidade o Ministério e que, por isso, deveria continuar à frente da pasta. "Vou me empenhar, junto com o PCdoB, para que o Ministério alcance êxito nas importantes tarefas que lhe cabem, sobretudo nos grade eventos, a Copa e as Olimpíadas", disse a presidente.

Dilma ressaltou as qualidade do novo ministro e afirmou que tem confiança em Rebelo. "Sua indicação me dá grande segurança de que o Ministério terá êxito, o que é muito importante para o êxito do meu governo como um todo", destacou.

Renato Rabelo, por sua vez, afirmou que o "PCdoB tem em Rebelo um quadro político com grande experiência e capacidade política. É uma pessoa em quem o partido deposita enorme confiança para levar a bom termo tarefas importantes para o país".

Mais cedo, pelo Twitter, Orlando desejou boa sorte a Rebelo: "Bom dia, Aldo Rebelo! Deus ilumine teus caminhos. Bom trabalho!". Os nomes de Flávio Dino (PCdoB-MA) e da deputada Luciana Santos (PCdoB-PE) também eram cogitados pela imprensa.

Rebelo está no sexto mandato na Câmara dos Deputados, sempre pelo PCdoB –já foi presidente da Casa e líder do governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Rebelo também foi ministro da Coordenação Política durante a gestão de Lula e teve importante papel na articulação da base aliada no período que se seguiu às denúncias do Mensalão. Na juventude, atuou no movimento estudantil e foi presidente da UNE (União Nacional dos Estudantes).

Com a indicação de Aldo, a pasta permanece sob a liderança do PCdoB, que dará continuidade ao trabalho desenvolvido desde 2006 e que resultou em grandes conquistas para o país, como a realização da Copa de 2014 e as Olimpiíadas de 2016.

Orlando Silva deixou a pasta nesta quarta-feira. "Decidimos que a melhor solução seria sair do governo para defender a minha honra", disse. "Saio com o sentimento do dever cumprido", completou o ex-ministro, reiterando sua inocência.

Fonte: vermelho.org.br 

sábado, 15 de outubro de 2011

Orlando Silva rebate acusações de Veja


O ministro do Esporte Orlando Silva Jr. rebateu as acusações de que teria recebido propina, publicadas em matéria da revista Veja neste sábado. Ele atribui as informações da matéria a uma reação do acusador contra as ações de sua pasta, enxerga um um fundo político nas declarações e acionou a Polícia Federal para investigar denúncias.



Orlando conversou com a presidente Dilma Rousseff, durante a manhã, e adiantou que gostou do que ouviu da presidente.

“Procurei a presidente quando tive a notícia de que a reportagem estava sendo feita. Mostrei os números e nossas ações para transmitir a confiança de que a nossa conduta foi correta. As impressões que ela teve é melhor vocês [jornalistas] perguntarem a ela. Mas eu fiquei muito feliz depois de ter conversado com a presidente Dilma”, disse Orlando Silva, que está em Guadalajara, no México, acompanhando a abertura dos Jogos Pan-Americanos, que aconteceu ontem (14).

O ministro também falou sobre o que está por trás das denúncias. “Talvez a melhor resposta seja dos analistas de política. São feitas especulações sobre mudanças [na pasta] por conta do crescimento do esporte. Mas a presidente Dilma tem sido apoiadora fundamental do ministério”, disse o político.
Em nota, o ministro do Esporte afirmou que já pediu ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, que coloque a Polícia Federal para investigar as denúncias feitas por João Dias. "Tenho a certeza de que ficará claro de que tudo o que ele diz são calúnias", disse o ministro na nota.

Ainda segundo a nota, João Dias, por meio da Associação João Dias de Kung Fu e da Federação Brasiliense de Kung Fu, firmou dois convênios, em 2005 e 2006, com o Ministério do Esporte, para atendimento a crianças e jovens, dentro do Programa Segundo Tempo. Como não houve cumprimento do objeto, não só o Ministério determinou a suspensão dos repasses, como o ministro Orlando Silva determinou, em junho de 2010, a instauração de Tomada de Contas Especial, enviando todo o processo ao TCU. O ministério exige a devolução de R$ 3,16 milhões, atualizados para os valores de hoje.

A avaliação do ministro do Esporte é de que foi esse o motivo para João Dias fazer agora acusações de desvios de verbas do programa. Orlando Silva afirma com veemência ser caluniosa a afirmação de João Dias de que houve entrega de dinheiro nas dependências do Ministério e pretende tomar medidas legais. João Dias já é réu em ação civil pública proposta pelo Ministério Público Federal, em decorrência das irregularidades na execução dos convênios denunciadas pelo Ministerio do Esporte.

A matéria se baseia inteiramente numa entrevista do policial militar João Dias Ferreira, à revista. Ferreira foi preso em 2010 acusado de fazer parte de um suposto esquema de desvio de recursos do programa Segundo Tempo, do ministério. Ferreira disse que Orlando Silva teria comandado um esquema ilegal quando era secretário-executivo de Agnelo Queiroz, responsável pela pasta no primeiro mandato de Lula e hoje governador do Distrito Federal.

O ministro explicou que recebeu João Dias Ferreira em uma audiência a pedido do então ministro Agnelo Queiroz, sem nenhum contato depois. Orlando também ressaltou que nunca conheceu Célio Soares Pereira.

“Essa pessoa [João Dias Ferreira] tem um inquérito policial em Brasília. Dois convênios foram firmados por ele [com o Segundo Tempo]. A prestação de contas revelou que o objeto não foi cumprido. Nós fizemos diligências para ela prestar contas. Na medida em que não foram apresentadas, fizemos a tomada de contas especial, que leva o caso para o TCU”, afirmou Orlando Silva, que disse que sua equipe recebeu ameaças dos acusadores antes da publicação da reportagem.



Leia aqui a nota oficial do Ministério do Esporte



Fonte: vermelho.org.br

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Nossa prioridade!

Aos camaradas da UJS;
Nossa organização de 27 anos de existência responsável por todas as principais vitórias da juventude brasileira ao longo desses anos, esta vivendo a construção de mais um Congresso da União Brasileira de Estudantes Secundaristas.
A UBES sempre foi importante para a criação e defesa dos direitos dos estudantes secundaristas, alunos da educação básica, e também da juventude brasileira, hora que são mais de 60 milhões de pessoas em sua base de representação. Sem essa galera muitas das pesetas que marcaram a história do nosso país não teria existido.
Ela fundamental para a nossa UJS ter o tamanho que tem, pois mais de 50% dos militantes de nossa organização são alunos da 5° serie ao 3° ano do ensino médio, obviamente essa turma é quem garante a renovação dos socialistas nas universidades e em muitos sindicatos.
Hoje a UBES vive seu 39° Congresso, com delegados eleitos em todas as escolas do país, nós construímos o movimento “Tenho Algo a Dizer”, como sabemos o maior e mais organizado do país. Nossa prioridade nesses dias que antecedem esse encontro é construir o Congresso e eleger delegado, não deve existir militante da UJS que não tenha tarefa no Congresso da UBES.
Assim como muitos que não são universitários constroem o Congresso da UNE, agora todos têm de construir o Congresso da UBES.
A militância da UJS precisa se envolver nesse combate pela juventude brasileira e pela construção da União da Juventude Socialista, muitas vezes podemos ajudar dando o número de um irmão a um alguém que esta coordenando nossa campanha, indo a uma escola montar uma comissão de dez pessoas, ligando pra se por a disposição e dizendo em que escola tem de ir.
E não há segredo gente, quando chegarmos em uma escola e perguntarem quem somos é pra responder assim: “Sou da UJS e tenho algo a dizer”.

Texto adaptado de:


Rafael Cardoso
Presidente da UJS de Arapiraca
Secretário de Formação Política da UJS de Alagoas

http://ujsarapiraca.blogspot.com/

terça-feira, 11 de outubro de 2011

O presídio de Arapiraca e a UFAL

Na sexta dia 07/10 participei de reunião no Palácio do Governo entre o Governador de Alagoas Teotonio Vilela, o senador Benedito de Lira, a deputada federal Célia Rocha, o secretário de estadual de Articulação Política Rogério Teófilo, o superintendente Geral de Administração Penitenciária, coronel Carlos Luna e representantes da comunidade acadêmica da UFAL - reitora Ana Dayse, representantes da direção do Campus Arapiraca, de professores e estudantes (Thiago Souza, Adriano Santana, Laudemir Layon e Jeferson pelo DCE e eu pela UNE). O assunto único era o Presídio de Segurança Média de Arapiraca, que se localiza vizinho ao Campus da Universidade.
Várias fugas já foram debeladas pelos reeducandos que utilizam o terreno da UFAL como rota de fuga. O campus da Universidade ainda é alvo dos tiros deflagrados pelos agentes penitenciários para intimidar os fugitivos. Com muros cravejados por projéteis de armas de fogo, vidros de salas de aula atingidos por balas, pânico e insegurança generalizada na comunidade acadêmica, que a muito tempo questiona a permanência do presídio naquele local. O terreno do presídio é cercado pelo terreno da Universidade, avançada as obras de expansão do campus, este deixará de ocupar apenas o espaço de um dos lados do presídio para ocupar os  terrenos dos fundos e do outro lado. 
Apresentadas essas situações, todas as autoridades presentes se mostraram convencidas a proceder com a retirada do presídio e em seguida doar o seu terreno para o patrimônio da UFAL: “o que posso dizer nesse momento é que aquele presídio será desativado e que o novo presídio será construído ainda em meu governo”, garantiu o governador, vamos convir que três anos e dois meses é muito tempo para a continuação da exposição dos estudantes ao perigo.

Três medidas ficaram de ser implementadas para aumentar a segurança dos estudantes, professores e trabalhadores: imediatamente orientar os agentes penitenciários para que os mesmos não efetuem disparos em direção ao campus; agilizar o início das obras de construção de um muro de 6 metros de altura e 310 metros de comprimento, que já está planejado e vai custar em torno de R$ 350 mil reais (o governador assegurou que em 30 dias as obras serão iniciadas); como medida de médio prazo ficou acertada a retirada do presídio para outro espaço, o problema apresentado para a execução do mesmo foi a necessidade de recursos federais. 

Ficou combinada a ida do governador Teotonio Vilela, senador Benedito de Lira, da deputada federal Célia Rocha e da reitora Ana Dayse à Brasília para juntos apresentarem a situação aos Ministérios da Educação e da Justiça. 
Vamos acompanhar e cobrar para que as medidas de curto e médio prazo sejam efetivadas, cabe ao DCE-UFAL e a UNE defenderem a segurança dos estudantes da Universidade.



domingo, 9 de outubro de 2011

Polícia Reprime início de Manifestação Estudantil no Chile

Uma grande concentração de estudantes iniciou uma marcha na capital chilena que logo foi reprimida pela polícia.
A Policia llançou gases lacrimogêneos contra os manifestantes, além de jatos de água para dispersá-los.
 
O protesto é liderado pela presidente da Confederação dos Estudantes do Chile (Confech), que anunciou na noite de ontem o rompimento do diálogo entre estudantes, professores e governo.
 
"É impossível dar continuidade a esta mesa de diálogo", afirmou Vallejo, acrescentando que a decisão, seguida pelos estudantes secundaristas e pelos professores, foi tomada depois da segunda reunião entre as partes, na qual o governo "não teria [demonstrado] vontade de diálogo".
 
Segundo ela, "não há uma disposição real [do governo] em construir um sistema nacional de educação publica, gratuita, de qualidade e democrática para todos. O governo continua se baseando na política de foco no gasto social, que não está garantindo o direito universal mas sim para alguns poucos".
 
Vallejo ainda negou que as demandas do movimento se baseiem no "tudo ou nada" e disse que "temos objetivos claros e acreditamos que o Estado ao assinar um pacto internacional como o Tratado pelos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais se compromete a garantir a educação gratuita e isso não se está se cumprindo na proposta".
 
A presidente da Confech ainda declarou que depois de todo esse tempo de mobilizações "esperávamos que o governo pudesse responder de uma boa maneira às nossas demandas".
 
Os universitários chegaram a apresentar, na reunião que durou cerca de quatro horas, uma proposta de educação gratuita, baseada na análise de economistas e especialistas que a tornavam viável.
 
Por sua vez, o ministro da Educação, Felipe Bulnes, explicou que a diferença entre as partes está justamente na cobertura da gratuidade. "Enquanto nós acreditamos como governo em avançar na gratuidade para aqueles estudantes que venham de famílias mais vulneráveis, os estudantes estão pedindo isso para 100% daqueles que frequentam as universidades estatais", explicou.
 
Bulnes acrescentou que "não acreditamos que uma política educacional correta seja dar gratuidade aos ricos".
 
A mesa tinha como objetivo encontrar saídas para a crise na educação que há mais de cinco meses paralisa o setor.

Imagem do Brasil no mundo sofre mudança positiva

A imagem do Brasil associada apenas ao samba, ao carnaval e ao futebol vai mudando aos poucos na Europa, segundo o secretário de Políticas Culturais do Ministério da Cultura, Sérgio Mamberti.


Para ele, o 23º Europalia - o maior festival de artes da Europa que este ano homenageia o Brasil – colabora para que os europeus enxerguem a cultura brasileira de forma diversificada e ampla.

Mamberti está em Bruxelas, na Bélgica, onde o Europalia foi aberto no último dia 4 pela presidenta Dilma Rousseff e pela ministra da Cultura, Ana de Hollanda. O festival, que reúne espetáculos de dança, teatro, circo, além de exposições e debates sobre literatura, se estenderá até janeiro por mais quatro países - Luxemburgo, França, Alemanha e Holanda.

“Diariamente temos sido surpreendidos com o número de visitantes às exposições e apresentações. Há uma grande curiosidade deles [os europeus] sobre a cultura brasileira. De repente, ficam impressionados em ver o elevado nível da produção artística, assim como se surpreendem com a diversidade que há no Brasil”, disse Mamberti à Agência Brasil.

Por mais de 100 dias, a cultura brasileira estará na Europa. Serão 130 shows, 60 apresentações de dança e 40 de teatro, 20 exposições de artes visuais e 80 conferências literárias. “É um esforço permanente e, aos poucos, vamos conseguindo mudar a imagem que se tem do Brasil no exterior. Talvez seja uma das principais contribuições do Europalia”, disse Mamberti. Para a organização do evento, os ministérios da Cultura e das Relações Exteriores, além da iniciativa privada brasileira, investiram R$ 30 milhões.

Mamberti contou como os diversos estilos da música brasileira contagiam os visitantes estrangeiros. “Um dia desses estavam tocando aqui [na entrada de um dos museus] forró, samba e gafieira. Aí, de repente, todo mundo estava dançando. Foi lindo”, disse o secretário. “Na verdade, a nossa alegria e o nosso entusiasmo conquistam. Eles [os estrangeiros] ficam maravilhados com as cores e os ritmos”, acrescentou.

Mamberti disse ainda que nos próximos dias serão inauguradas exposições sobre as etnias indígenas brasileiras, com fotografias que mostram desde a família real portuguesa no Brasil até os dias de hoje, além de imagens de Copacabana antigas e atuais. “O comentário geral é sempre elogioso. Isso tudo nos alegra muito e entusiasma a promover eventos como esse”, comentou


Fonte: vermelho.org.br

domingo, 18 de setembro de 2011

Governo vai ampliar Bolsa Família

A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, vai anunciar na próxima segunda-feira (19) uma ampliação no número de pessoas beneficiadas pelo Bolsa Família, principal programa de transferência de renda lançado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, vai anunciar na próxima segunda-feira (19) uma ampliação no número de pessoas beneficiadas pelo Bolsa Família, principal programa de transferência de renda lançado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


Entre as propostas está a de aumentar de três para cinco o limite de filhos beneficiados por família.

O ajuste no Bolsa Família tem o intuito de alinhar o programa de Lula ao Brasil sem Miséria, linha mestra da proposta social do governo da presidenta Dilma Rousseff. O impacto da medida ainda não foi anunciado.

A meta, de acordo com o governo, é que até o final de 2013, o Bolsa Família possa beneficiar 1,2 milhão a mais de crianças e adolescentes.

O governo trabalha com dados do Censo 2010 que apontou um perfil bastante jovem da população em situação de pobreza extrema no Brasil. De acordo com o levantamento, 40% da população extremamente pobre no país tem até 14 anos.

A ampliação não vai incluir o aumento dos valores pagos pelo programa, apenas do número de beneficiadoss. Atualmente, cada família recebe R$ 32, por filho.

Atualmente, 12 milhões de famílias recebem o benefício que se destina a lares com renda per capita de até R$ 70 - consideradas famílias em situação de extrema pobreza - e entre R$ 70,01 e R$ 140 - famílias consideradas pobres.

Para receber o benefício, a família precisa estar inscrita no Cadastro Único, com os dados atualizados, além de cumprir uma série de contrapartidas nas áreas de educação, saúde e assistência social.

Fonte: http://www.vermelho.org.br

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Assembléia dos estudantes da UFAL

Na última segunda (05.09) centenas de estudantes da UFAL se reuniram em Assembléia Estudantil. Há décadas um fórum estudantil da UFAL não reunia uma quantidade de estudantes tão expressiva. A pauta única, com certeza, contribuiu bastante para a participação dos estudantes: análise de conjuntura. Aparentemente simples, mas bastante polêmica em virtude do momento em que as Universidades Federais passavam, onde um grande número de instituições se encontrava com seus técnicos e professores em estado de greve. 
Dezenas de estudantes se pronunciaram durante a Assembléia, falas que defendiam desde o deflagrar de greve estudantil ao retorno imediato das atividades. Palavras de ordem foram entoadas até que foi decidido, com maioria expressiva, que os estudantes não queriam a greve, mas aulas imediatas. Da mesma forma decidiu a Assembléia dos professores no dia seguinte (06.09), organizada pela entidade representativa da categoria a ADUFAL, onde 188 professores optaram pelo retorno imediato das atividades e 73 pela postergação em mais uma semana da greve. 
Ainda na Assembléia Estudantil, uma série de reivindicações pautadas, principalmente, na infra-estrutura da universidade nos campi, assistência estudantil, financiamento, ensino, pesquisa e extensão foram aprovadas, deliberando-se que o movimento estudantil iria defendê-las num calendário de atividades e manifestações contínuas. Sem sombra de dúvidas essa Assembléia marcou significativamente o movimento estudantil da UFAL.


Fonte:  http://claudiapetuba.blogspot.com

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Cuba tem o 8º melhor atendimento médico infantil, enquanto os EUA tem o 15º

A ONG Save the Children, organização internacional com sede nos EUA que luta pelos direitos das crianças, divulgou nesta semana um novo estudo em que mensura o grau de qualidade dos países no atendimento médico infantil.


De acordo com o ranking produzido pela entidade, entre os 161 países avaliados, Chade e Somália ocupam as duas últimas posições e Suíça e Finlândia, as duas primeiras. Cuba foi a primeira nação latino-americana listada, na 8ª posição, à frente de Alemanha (10ª), França (12ª), Reino Unido (14ª) e Estados Unidos (15ª).

Entre os latino-americanos, o Uruguai ocupa a segunda colocação, na 31ª posição geral, seguido pelo Brasil, na 35ª. O México alcançou apenas o 65º lugar no ranking, e a Argentina, o 77º.

A lista da Save the Children mensura o número de profissionais da área da saúde disponíveis em um país, o alcance de sistema de vacinação pública e o atendimento a gestantes e parturientes. De acordo com os cálculos da organização, a Suíça, no primeiro posto, atingiu índice 0,983, enquanto o Chade, último colocado, não passou de 0,130.

Os países mais mal avaliados não possuem mais do que sete médicos e enfermeiros para cada dez mil habitantes, enquanto a mínimo adequado sugerido pela Organização Mundial de Saúde é de 23 profissionais.

“A crise de profissionais da saúde no mundo está custando a vida de crianças todos os dias. Programas de vacinação, medicamentos e cuidados preventivos dão em nada se não houver profissionais capacitados para oferecê-los a quem mais precisa”, disse Mary Beth Powers, uma das coordenadoras da Save the Children, em comunicado divulgado pela organização na última terça-feira (6).

O estudo foi encaminhado para a Assembléia Geral das Nações Unidas. O objetivo é pressionar os líderes mundiais para que assumam novos compromissos dentro da campanha “Toda Mulher, Toda Criança”, lançada pela própria ONU em 2010. O objetivo da ação é reduzir a morte de crianças e mães no mundo, que anualmente atingem 8,1 milhões e 358 mil por ano, respectivamente.


Fonte: http://www.vermelho.org.br 

domingo, 4 de setembro de 2011

Estudantes lavam a ‘sujeira’ do Banco Central de aumentar juros

“Estudante na rua, qual é sua missão? 10% do PIB para educação”. A palavra de ordem foi o mote da manifestação que a União Nacional dos Estudantes (UNE) promoveu, nesta quarta-feira (31), em Brasília, encerrando as atividades do Agosto Verde Amarelo. Os estudantes se concentraram em frente a agência do Banco Central; de lá saíram na Marcha dos Estudantes, percorrendo toda a Esplanada dos Ministérios, até o Congresso Nacional, onde repetiram suas reivindicações. 

A irreverência marcou a manifestação em frente ao Banco Central, onde aconteceu a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que define a taxa básica de juro.

Sob as palavras do presidente da UNE, Daniel Iliescu, de “o Banco Central está sujo, está fedendo, vamos lavar o Banco Central”, uma grande mangueira do carro-pipa estacionado no local foi ligada e lavou a calçada do Banco Central e aliviou o calor dos manifestantes, que estavam sob sol forte e ar seco, típico da cidade nessa época do ano.

A manifestação contra os juros altos e por 10% do PIB (Produto Interno Bruto) e 50% do fundo social do pré-sal para educação recebeu apoio e solidariedade da dirigente estudantil chilena, Camila Vallejo, e de parlamentares.

Iliescu disse que o recado para a presidente da República, Dilma Rousseff; o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, e para a sociedade brasileira é que os estudantes não vão descansar enquanto não alterar a realidade das escolas públicas do Brasil.

Apoios e solidariedade


“Queremos um país da educação, do trabalho e da produção, não um país que todo mundo vem para especular e ganhar dinheiro”, disse Iliescu, reivindicando a “redução imediata da taxa de juros do país" e destacando que essa bandeira de luta recebe apoio das centrais sindicais, movimentos sociais e parlamentares.

O apoio à luta dos estudantes foi manifestada pela deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e o deputado Paulo Rubem Santiago (PDT-PE), que discursaram para os milhares de jovens que se aglomeravam, agitando bandeiras e gritando palavras de ordem.

O senador Inácio Arruda (PCdoB-CE), que também discursou para os estudantes, criticou a proposta de independência do Banco Central. “Ele deve ser dependente do povo brasileiro, dos estudantes, dos sem-terra, dos interesses de quem produz no Brasil. Ele precisar baixar essa taxa imoral de juro”, afirmou o senador, reafirmado o apoio do PCdoB na luta pelos 10% do PIB (Produto Interno Bruto) e 50% do fundo social do pré-sal para a educação, além de um Plano Nacional de Educação prá valer.

A estudante chilena Camila Vallejo falou em espanhol, mas a barreira da língua não prejudicou a compreensão de sua fala. Os manifestantes responderam com gritos de entusiasmo às palavras de agradecimento ao povo brasileiro pela solidariedade à luta dos estudantes chilenos.

Ela disse que estava no Brasil para trazer a solidariedade dos estudantes chilenos aos brasileiros e que os estudantes da América Latina devem se unir na luta pela garantia de seus direitos para a construção de um futuro justo e democrático. Vallejo disse que a luta deve ser pelo fortalecimento da educação pública e contra os privilégios do capital financeiro e da classe política.

No meio da Marcha, os estudantes encontraranm o ministro do Esporte, Orlando Silva, que posou para fotos com estudantes. O ministro disse que ouviu o barulho da manifestação e saiu de seu gabinete “para matar a saudade”. O ministro iniciou sua vida política como presidente da UNE em 1995.

O ministro apoiou a reivindicação de que 10% do PIB sejam repassados para a educação. “Todo o investimento em educação no Brasil é pouco. Precisamos ampliar o acesso e aumentar a qualidade. Se tenho a chance de defender os interesses dessa classe, sempre defendo. A reivindicação é mais do que justa, é necessária", disse Silva.





Fonte: http://www.vermelho.org.br 

Salário mínimo proposto para 2012 respeita acordo, dizem centrais

O salário mínimo de R$ 619,21 proposto pelo governo no Orçamento Geral da União de 2012 respeita o acordo feito entre as centrais sindicais e o governo da presidenta Dilma Rousseff, na avaliação de sindicalistas. Para o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Arthur Henrique, a fórmula de valorização do salário mínimo é uma conquista dos trabalhadores.


“Sabemos que, no governo [do ex-presidente] Lula, construímos a proposta de valorização do salário mínimo [inflação do último ano mais a variação do Produto Interno Bruto - PIB]. Ela é que vai garantir que se tenha, ao longo do tempo, um aumento real, de forma que se possa chegar ao proposto pelo [Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos] Dieese ”, disse Arthur Henrique.

O valor ideal para atender às necessidades básicas do cidadão, calculado pelo Dieese, com base no que a Constituição Federal determina, é R$ 2.500. Esse montante deveria cobrir despesas como aluguel, alimentação, lazer, entre outras.

Arthur Henrique ressaltou que o valor definido no projeto de lei orçamentária ainda é uma proposta, pois os números da inflação não estão fechados. “Esse valor proposto é uma referência, porque o Orçamento é com base em perspectiva. Temos que esperar até dezembro para saber qual o valor da inflação e somar o valor do crescimento do PIB, que é 7,5%, e calcular o valor do mínimo”, explicou.

Para o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna, o valor do salário mínimo contido no Orçamento respeita o acordo feito com as centrais. O próximo passo é discutir o aumento para os aposentados que ganham acima do salário mínimo. “As outras centrais sindicais e os sindicatos de aposentados vão buscar com o governo uma negociação para que haja uma recuperação das perdas daqueles que ganham acima do mínimo”, disse. Contudo, ainda não há uma proposta fechada sobre qual deveria ser o aumento do salário para os aposentados.

Ele disse ainda que o aumento do mínimo vai ajudar nas negociações coletivas de categorias que têm sua data-base neste segundo semestre. O percentual de aumento do mínimo vai servir como base para que essas categorias também possam ter um aumento real do piso salarial, ou seja, correção além do índice inflacionário.

Fonte: Agência Brasil

sábado, 27 de agosto de 2011

UNE apoia greve no Chile e Camila Vallejo confirma vinda ao Brasil

Recebido pela líder estudantil, Camila Vallejo, Iliescu demonstrou apoio aos estudantes chilenos em discurso para mais de 250 mil pessoas

O presidente da UNE, Daniel Iliescu, está desde a madrugada da última quinta-feira, dia 25 de agosto, no Chile, onde participa de toda a agenda da paralisação nacional de 48 horas dos trabalhadores e estudantes chilenos.
As principais reivindicações dos estudantes dizem respeito às melhorias no sistema educacional do país.“O Brasil e o Chile tem suas realidades no ensino superior muito semelhantes. Estamos aqui para demonstrar nossa solidariedade”, disse Iliescu.
A paralisação foi convocada pela Central Sindical do Chile e pela Confederação dos Estudantes Chilenos, encabeçada pela líder estudantil e presidenta da Confederação dos Estudantes Chilenos (Confech), Camila Vallejo, que vem organizando atos de protesto no país ao longo dos últimos três meses.

De acordo com Camila, participam das manifestações estudantes, trabalhadores, sindicalistas, entre outros atores sociais. "Esses atos mostram a diversidade e a riqueza de movimentos que temos no Chile”, afirma.
O presidente da UNE chegou à capital Santiago por volta das 4h30 e presenciou um cenário com restos de barricadas e focos de incêndio, resquícios dos protestos ocorridos no dia anterior e duramente reprimidos pelo governo chileno.
Daniel discursa para 250 mil durante passeata.
Daniel participou hoje pela manhã, dia 25, de uma grande marcha que reuniu mais de 250 mil pessoas. Os manifestantes marcharam de quatro pontos distintos, Mapocho, Estação Central, San Diego con Placer e Praça Italia e se concentraram na Praça Central do Chile para um grande ato.

Em determinado momento da passeata, Camila subiu em um muro e o chamou para ficar ao seu lado. "Eram dezenas de milhares de pessoas, ela discursou com um megafone, e é incrível como ela encanta o pessoal. Eu subi e também falei, dei palavra de apoio." Sobre o discurso de Daniel, Camila disse: “Ele falou muito bem e foi muito aplaudido”.
Daniel acompanhou Camila durante todo o dia de mobilização, tendo estado na Universidade do Chile, que foi tomada pacificamente pelos estudantes, e em uma reunião com o movimento social chileno e entidades educacionais de Chile, Argentina e Uruguai.
A Paralisação Nacional de 48 horas foi encerrada com um panelaço. Segundo Camila, nos próximos dias, as organizações planejarão mais protestos e manifestações. "A mobilização não termina aqui. Vamos avaliar e seguir adiante”, assegura.


Fonte: http://www.ujs.org.br

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Protógenes Queiroz na Líbia: Mídia omite o que ocorre no país

Em visita à Líbia, o deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) analisa a situação política do momento dentro do país, revelando que o apoio popular ao presidente Muamar Kadafi é enorme, desmentindo os argumentos da mídia Ocidental, de que a população líbia estaria fortemente descontente com o líder do governo.


Leia abaixo a mais recente nota distribuída pelo deputado, em viagem ao país com uma comissão de políticos e ativistas brasileiros que analisarão a agressão que o país sofre atualmente, na qual discorre sobre o estado atual da guerra civil deflagrada contra o governo constituído líbio:

Quarta-feira (17) me encontrei com o secretário da embaixada do Brasil na Líbia, Márcio Augusto dos Anjos, que está no país há quatro anos. Falei também com integrantes tanto do movimento rebelde, que luta contra Kadafi, como das forças do Governo.

As várias reuniões me levaram às seguintes impressões iniciais: O que a imprensa internacional vem publicando a respeito da realidade Líbia não está totalmente correto. Pelo que percebo a maior parte do povo líbio está com Kadafi.

Inclusive as mulheres estão armadas e participando do enfrentamento contra as forças rebeldes da CNT (Comitê Nacional de Transição), força que de forma desorganizada está combatendo o governo atual com o forte apoio da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), que sabidamente tem interesses econômicos e políticos na sua intervenção. Trípoli é bombardeada todas as noites e alvos civis estão sendo atingidos.

Na Líbia, 90% da população têm casa própria, automóvel, saúde e educação pública. O país está em pleno desenvolvimento e o mais interessante é que não existia violência antes de começarem os ataques da Otan. O absurdo é que os mesmo ataques, que geram a violência, tem em sua justificativa a manutenção da paz.

Pelas informações que obtive, o regime de Kadafi tem conselhos governamentais e setoriais e está disposto a construir uma proposta de paz com a elaboração de um plebiscito para que o povo decida qual regime quer na liderança do país.

Entendo que o plebiscito é a melhor saída para este momento triste da história da Líbia, desde que a negociação seja articulada entre as duas forças e não haja intervenção internacional como a que ocorre atualmente, que incentiva a violência e atos de terror. O povo líbio não merece este tratamento violento e desumano.

Amanhã vou à Djerba, na Tunísia, fronteira com a Líbia, para continuar os encontros com representantes dos dois lados, em busca de um diálogo entre as partes.

Fonte: Página eletrônica do deputado Protógenes Queiroz

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Movimento negro protesta contra programa de TV hipócrita do DEM

O movimento UNEafro Brasil (União de Núcleos de Educação Popular para Negras/os) lançou um vídeo em protesto contra o último programa eleitoral do DEM, veinculado na TV aberta neste mês de agosto, que usou da imagem e da boa fé de um jovem negro, morador da periferia de Salvador (BA), para tentar descredibilizar políticas de afirmação social, como as cotas e a bolsa família. Para o movimento, a propaganda é hipócrita e não corresponde à prática e ao histórico racista do DEM.

Na propaganda eleitoral do DEM o jovem diz que a "esquerda não é dona da juventude, nem de quem mora na periferia". O vídeo dos democratas soa como uma tentativa desastrada de tentar amenizar a crise pela qual o partido passa desde que deixou o poder em 2002, quando FHC perdeu a presidência da República para Lula.

 

domingo, 21 de agosto de 2011

Marcos Frota: Apaixonei-me pelo povo cubano

Com a mesma leveza que imprime em suas personagens, o ator brasileiro Marcos Frota chegou a Cuba para presenciar o que tanto tinha escutado desde pequeno, e encontrou "a calidez de sua gente, sua espiritualidade, sua esperança, sua forma de atuar e expressar seus sentimentos, algo totalmente diferente do resto dos países que conheci até agora". Entre Brasil e Cuba existe uma sinergia pela celebração da vida, destacou.

Prensa Latina: Que impressões você leva de Cuba?            
Marcos Frota: Um ator é um observador do comportamento humano. No Brasil estão de olho onde quer que eu vá, mas aqui sucedeu ao inverso, aproveitei para observar ao povo. Apreciei uma consciência social muito grande e, sobretudo, um sentimento de paz. Entre ambos os povos existe, como disse antes, uma sinergia pela celebração da vida com música, com ritmos, com sorrisos, com abraços.
De coração, apaixonei-me do povo cubano, e não é uma frase de marketing nem algo fingido. Guardarei em meu coração o povo de Cuba, e o porei em minhas orações porque têm muito que oferecer à humanidade. O embargo não faz sentido; o isolamento de Cuba não faz sentido. Aqui há muito que oferecer ao novo tempo que se aproxima. Em outras palavras, não foi em vão a luta de Fidel Castro e a de seus companheiros.

UM POUCO DE CUBA: 

EDUCAÇÃO: A educação é controlada pelo Estado e a Constituição de Cuba determina que o ensino fundamental, médio e superior devem ser gratuitos a todos os cidadãos cubanos e é obrigatória até o 9º ano. 

Em 1958, antes do triunfo da revolução, 23,6% da população cubana era analfabeta e, entre a população rural, os analfabetos eram 41,7%. Em 1961 se realiza uma campanha nacional para alfabetizar a população e Cuba torna-se o primeiro país do mundo a erradicar o analfabetismo. Hoje não há mais analfabetos em Cuba. Segundo o The World Factbook 2007, publicado pela CIA, 99.8% da população cubana, acima de 15 anos, sabe ler e escrever.

De acordo com os resultados obtidos nos testes de avaliação de estudantes latino-americanos, conduzidos pelo painel da Unesco, Cuba lidera, por larga margem de vantagem, nos resultados obtidos pelas terceiras e quartas séries em matemática e compreensão de linguagem. "Mesmo os integrantes do quartil mais baixo dentre os estudantes cubanos se desempenharam acima da média regional", disse o painel.

SAÚDE: Em Cuba a prestação de serviços relacionados à saúde é totalmente gratuito para residentes da ilha, o que se espelha em seus indicadores padrão.

Em 2006, segundo a Organização Mundial de Saúde, não ocorreu em Cuba nenhum caso de difteria, sarampo, coqueluche, poliomielite, rubéola, rubéola CRS, tétano neonatal, ou febre amarela. Uma pequena pandemia de caxumba iniciou-se em 2004 e ainda não foi controlada; até aquele ano não havia caxumba em Cuba. Houve apenas três casos de tétano comum em 2006 (não relacionados a partos).

MORADIA: Em Cuba 85% das famílias são donas de suas próprias casas - portanto não pagam aluguel - e os 15% restante pagam de aluguel 1 ou 2 dólares mensais, computado em forma de amortização, pois ao final do pagamento do custo de moradia se converte em seu proprietário.

Nas economias de mercado a maioria dos pobres vive em favelas, e a maioria dos favelados é pobre. Entretanto em Cuba isto é diferente devido à relativa segurança na posse da residência, a profusão de residências de aluguel muito baixo ou gratuito e a restrição legal aos mercados de moradias e terrenos. Significativamente as pessoas que moram nas "favelas" em Cuba têm acesso à mesma educação, serviços de saúde, oportunidades de trabalho e seguro social que os que moram no que (anteriormente à revolução) foram os bairros mais privilegiados.

"Cuba é um exemplo de país, é um verdadeiro exemplo de um país comunista. Embora tantas pessoas tentem nos polpar dessa realidade, da pra ver que comunismo não é utopia, muito menos uma "coisa" ruim, e sim, é o que a sociedade precisa pra viver bem, e com mais seguridade social."   Dário Rosalvo

 

Texto adaptado de:http://pt.wikipedia.org/wiki/Cuba#Educa.C3.A7.C3.A3o e         http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=161834&id_secao=11